Capela de Nossa Senhora da Guia

Em muitos lugares, a invocação de Maria com este título está relacionada com os homens do mar: «a Senhora da Guia é a Padroeira dos Navegantes». Não sei se a construção desta Capela teve alguma coisa a ver com isso. O título de "Nossa Senhora da Guia" é rico e bonito.

Tem a sua origem na Igreja Ortodoxa, onde a Virgem Maria é invocada sob o nome de “Odigitria”, que significa “Condutora”, “Guia” de Jesus Cristo desde a infância até o início de sua vida pública, invocada como guia e protectora do povo de Deus e do Homem.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De há 20 anos para cá, reunimo-nos nesta Capela três vezes por ano:

1. No Dia de Natal. Há Eucaristia solene seguida de Leilão de Oferendas, destinado a pagar as despesas de conservação com a Capela

2. Igualmente oito dias depois, no dia 1 de Janeiro, Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus.

Estas duas celebrações já vinham de trás e tem razão de ser: Maria sustem ao colo o seu Filho nascido em Belém

3. Considerámos simpático e educativo chamar para esse lugar de culto a celebração típica do dia 2 de Fevereiro: a Festa da Apresentação do Menino Jesus no Templo, vulgarmente conhecida por Festa de Nossa Senhora das Candeias Liturgicamente, celebramos aquele dia em que Maria foi ao Templo de  Jerusalém com o Menino nascido há 40 dias e lhe apareceu o velho Simeão a profetizar que aquele Menino irá ser a Luz das Nações.

É daí que vem a tradição de segurar nessa celebração velas acesas e depois as levar para casa. O que Maria fez então, faziam-no todas as mães quando tinham o seu primeiro filho (o primogénito). Entre outros significados religiosos, tinha o de agradecer a Deus o dom da fertilidade.

Foi por isso, que nós introduzimos o costume de convidar para esse dia todos os pais que durante o ano passado tiveram o primeiro filho/a. É rezada sobre eles uma oração de bênção e, no final, oferecemos-lhes uma lembrança.

A celebração, de si, é positiva, porque tem fundamento bíblico e tem um ar de «frescura» religiosa, mas há uma intenção subjacente nos responsáveis: trata-se de uma bênção (dos pais e da criança) para todos, sem olhar a se são praticantes ou não, ou se têm intenções de baptizar ou não o filho. Estamos de braços abertos para acolher mesmo os ateus práticos, mas, por favor, não confundam o Baptismo com uma bênção de Deus para o menino. O Baptismo é outra coisa, que só os cristãos podem perceber e celebrar.

Há noivos que escolhem essa Capela para celebrarem o Matrimónio. Não se lhes nega, mas o melhor local para a celebração de qualquer Sacramento continua a ser a Igreja Paroquial.

A Capela está no Caminho de São Tiago. Muitos peregrinos vão lá espreitar. Com o número a crescer, vamos ter de lhes facilitar a visita ao interior para aí saborearem uns momentos de oração e descanso.